Como cuidar da saúde íntima em meio ao período de quarentena e isolamento social?

por Feito Para Ela

O momento exige adaptações para que a mulher mantenha os cuidados com a saúde

Manter os cuidados com a saúde íntima, durante um período delicado como o da pandemia do coronavírus no Brasil, pede que paciente e profissional flexibilizem os modelos de atendimento. O importante, acima de tudo, é atentar-se aos possíveis sinais que o corpo pode apresentar e consultar o profissional, mesmo que à distância, sempre que possível.

A ginecologista Neila Maria de Gois Speck explica que as mulheres que estavam em uma rotina de exames ginecológicos, por exemplo, precisam observar duas situações. “Os exames sendo adiados por um período, desde que a mulher esteja assintomática, não há problemas. Caso observe alguma diferença, como um nódulo mamário, um sangramento inesperado, uma dor mais importante na região genital, aí sim, a falta de exame para diagnóstico pode ocasionar um retardo e agravar o problema, caso tenha que adiar a consulta” diz.

Para evitar um quadro mais grave, a doutora Neila sugere que as mulheres façam uso dos recursos de telemedicina. Recentemente, por conta da pandemia de coronavírus, consultas médicas ganharam espaço pelos meios tecnológicos. Seja através de ligações, troca de mensagens ou videoconferências, é possível cuidar da saúde e seguir uma linha de recomendações do profissional médico.

Hoje, por exemplo, a paciente que apresenta um quadro de cistite, com muita dor para urinar, pode ser orientada através de plataformas digitais, com o profissional de confiança, a seguir o uso de um antibiótico. Com a assinatura digital do médico ela também consegue comprar o remédio na farmácia” acrescenta. A médica também cita a necessidade de retomar os atendimentos físicos quando os serviços forem reestabelecidos. “Depois que acabar o período de isolamento a paciente deve retornar suas consultas presenciais” diz.

No caso dos atendimentos excepcionais, como os casos de urgência, a ginecologista reforça as medidas de higienização e proteção ao contágio do coronavírus. “Sempre é importante manter cuidado no transporte ao chegar ao ginecologista, fazendo uso de máscara e álcool gel” diz. No consultório, de acordo com a especialista, é importante que o profissional tenha cuidado em não haver uma sala de espera com muitas pessoas, e se possível espaçando mais os horários de atendimento.

Não hesite em procurar o ginecologista frente a algo de diferente que você sinta. O seu ginecologista não a abandonará neste momento. Ele dirá da necessidade de uma consulta presencial ou não” finaliza.

Veja Também

Deixe um Comentário